Whatsapp para todos os programas. PARTICIPE!

Whatsapp para todos os programas. PARTICIPE!

Ipu ou Guaraciaba? Autoridades estão cochilando!

Um termo pejorativo virou piada, quando alguém encontra um ipuense espalhado mundo afora. IPU TINHA. Essa parece ser uma síndrome que tem nos acompanho e perdurado. Se formos relembrar, o Ipu teve o Tiro de Guerra, a sede do IBGE, o SEBRAE e tantas outras importantes instituições, que do nada e de repente foram para outros municípios.
Tenho acompanhado de perto, a reclamação recorrente dos comerciantes de Ipu, especialmente da área de bares e restaurantes. Fazendo uma análise sobre o tema e confirmando in loco verificamos que a cada dia, os ipuenses participam ativamente das noites em Guaraciaba do Norte. É muito comum chegar em um bar ou restaurante de Guaraciaba e encontrar uma boa quantidade de ipuenses ocupando as mesas. Em um passado recente, muitas foram as jovens ipuenses que contraíram matrimônio com guaraciabenses. Hoje a situação se reverteu e é comum, os jovens ipuneses namorar ou casar com as meninas serranas. Isso só, não explicaria essa tendência, mas de maneira superficial podemos apresentar dois fatores que provocam este comportamento dos ipuenses. Os preços praticados pelos bares e restaurantes de Ipu e principalmente, a VIOLÊNCIA praticada e crescente em nosso município. Nos últimos 2 meses, 3 jovens foram executados em Praça Pública. Relembrando: o 1º na Rua Cel. José Lourenço (Posto Lima). 2º na Av. Auton Aragão (Rua dos Canudos) e o 3° na Av. Dr Darci Correa (Casa de Cultura). Todos abatidos a bala e com vários disparos. Para fortalecer negativamente, ainda tivemos vários assaltos nos mais diferentes comércios de nossa cidade. 
Precisamos de uma atuação forte dos poderes constituídos, sejam de autoridades policiais ou políticas, o problema existe, se faz necessária uma medida drástica e urgente para reverter algo que hoje é uma cruel realidade.
Com a palavra, quem comanda e manda!

Hélio Lopes Ipu



 
Copyright © 2012. RÁDIO REGIONAL - ·
Tema desenvolvido por Diego Farias/ Fagner Freire ·