Whatsapp para todos os programas. PARTICIPE!

Whatsapp para todos os programas. PARTICIPE!

Crescimento populacional em Fortaleza é o menor em 6 anos

A desaceleração do crescimento populacional na capital cearense é resultado de mudanças sociais em andamento nas últimas décadas ( FOTO: FERNANDA SIEBRA )
As estimativas populacionais dos municípios em 2016, divulgadas ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelaram que a quantidade de habitantes de Fortaleza está aumentando em um ritmo menos acelerado que o observado anos atrás. Embora tenha mantido o posto de 5ª cidade mais populosa do País, a Capital registrou, entre 2015 e 2016, a menor taxa de crescimento populacional dos últimos seis anos, desde a publicação do Censo Demográfico 2010, versão mais recente do documento.
>Com 4 milhões de pessoas, RMF concentra 44% dos cearenses
No período, a população da cidade cresceu apenas 0,71%, seguindo uma tendência de redução iniciada em 2014. Hoje, de acordo com os cálculos do IBGE, estima-se que Fortaleza possua um total de 2.609.716 residentes, 18.500 a mais que no ano passado, acréscimo que não superou o ocorrido entre 2014 e 2015 (19.292 pessoas), e entre 2013 e 2014 (20.090 pessoas).
A desaceleração do crescimento populacional em Fortaleza é resultado de mudanças sociais em andamento nas últimas décadas. Segundo o urbanista Renato Pequeno, membro do Observatório das Metrópoles e do Laboratório de Estudos da Habitação da Universidade Federal do Ceará (UFC), dentre as hipóteses que podem explicar o fenômeno, estão o aumento da taxa de mortalidade da população jovem (em especial a masculina), o deslocamento de pessoas entre municípios e a existência de novas configurações familiares.
"Vemos o aumento do número de solteiros e das novas formas de união, como os casais sem filhos, as uniões homoafetivas, as pessoas que vivem juntas, mas não possuem relacionamento entre si. Tudo isso traz essa mudança. Estamos saindo do padrão 'pai, mãe e dois filhos'. Existem novas tendência demográficas", destaca o professor.
Envelhecimento
O especialista destaca que a redução da taxa de crescimento do número de habitantes não só em Fortaleza, mas no restante do Brasil, está se traduzindo em um maior envelhecimento da população, já observado há alguns anos. "À medida que vai diminuindo a taxa de crescimento, vem o aumento da representatividade das pessoas mais idosas na população", diz ele. "É preciso saber até que ponto o poder público está preparado para isso, que políticas públicas existem para os idosos", completa.
Renato Pequeno diz que, ainda que a população esteja crescendo mais lentamente, o mesmo não deve acontecer com as políticas públicas em geral. "Estamos sempre no atraso. O que as prefeituras e os estados precisam fazer é estarem preparados para se apropriar dessas informações e dessas tendências e pensar em políticas de educação, de saúde, de assistência social e outras para toda a população".
SAIBA MAIS
Ranking das cidades mais populosas do Brasil
1º. São Paulo - 12.038.175
2º. Rio de Janeiro - 6.498.837
3º. Brasília - 2.977.216
4º. Salvador - 2.938.092
5º. Fortaleza - 2.609.716
da
 
Fonte Diário do Nordeste
 
Copyright © 2012. RÁDIO REGIONAL - ·
Tema desenvolvido por Diego Farias/ Fagner Freire ·