Whatsapp para todos os programas. PARTICIPE!

Whatsapp para todos os programas. PARTICIPE!

Cauby Peixoto morre aos 85 anos

Cauby Peixoto morreu no final da noite de domingo / Thiago Duran/AgNews  
Cauby Peixoto morreu no final da noite de domingo Thiago Duran/AgNews
Cauby Peixoto morreu por volta das 23h50 do domingo, dia 15, em São Paulo. O cantor estava internado no hospital Sancta Maggiore, no Itaim Bibi.

A assessoria de imprensa do cantor confirmou a informação ao band.com.br no começo da madrugada desta segunda-feira, dia 16: "É verdade, ainda não sabemos a causa, mandaremos um comunicado em breve".

Na companhia de Angela Maria, Cauby estava em turnê pelo Brasil com o espetáculo 120 anos de Música. O repertório do show era baseado no disco Reencontro, mas também contemplava faixas de outras parcerias dos dois.

Em setembro do ano passado, o cantor chegou a cancelar uma apresentação por conta de uma gripe. Em março de 2015, ele chegou a ser internado em estado grave no hospital Santa Isabel em São Paulo, mas o motivo da internação foi mantido em sigilo pela família.

Relembre a carreira de Cauby em fotos:

Cauby Peixoto morreu na madrugada do dia 16 de maio de 2016, aos 85 anos. Cantor posa para foto em 1969. Veja momentos da carreira
Domício Pinheiro/AE


Carreira

Cauby Peixoto nasceu no bairro de Santa Rosa, em Niterói (Rio de Janeiro), em 10 de fevereiro de 1931, e pertence a uma família cheia de músicos. O cantor era filho do violinista conhecido como Cadete, sobrinho de Nonô (Romualdo Peixoto), que popularizou o samba no piano, e primo de Ciro Monteiro.

Começou a carreira na música em 1949 quando abandonou o trabalho no comércio para participar de programas de calouros de rádio. Antes disso, chegou a cantar no coro da escola e também no coro da igreja que frequentava.

Cauby, conhecido pelo timbre grave e aveludado, gravou seu primeiro álbum (Saia Branca) em 1951. Cinco anos mais tarde, o cantor gravou três LPS, incluindo Você, a música e Cauby, quando lançou sua interpretação mais famosa: Conceição

O sucesso do samba-canção já aconteceu em parceria com Edson Collaço Veras, o Di Veras, que foi o responsável por promover a carreira de Cauby. Foi o empresário que moldou o jeito do cantor  de falar, se vestir e agir com o público, conseguindo com que ele sempre estivesse nas páginas dos jornais com boas histórias.

Conceição, Blue Gardênia, A pérola e o rubi, Tarde fria, Lábios que eu beijei, Solidão, A noiva, Molambo, É tão sublime o amor são algumas das canções de maiores destaque de Cauby, que lançou 49 álbuns ao longa da carreira.

Em 1957, o cantor se torna o primeiro brasileiro a gravar uma canção de rock em português com Rock and Roll, de autoria de Miguel Gustavo.


A fama internacional chegou dois anos mais tarde quando foi chamado de "Elvis Presley brasileiro" pela revista Time. Com o nome artístico de Ron Coby, gravou um álbum em inglês.

Ao lado de dos irmãos, abriu a famosa boate Drink, no Rio de Janeiro, em 1964, e se apresentou no local por quatro anos.

A cantora Ângela Maria foi a grande amiga e parceira de Cauby. Juntos, eles gravaram três discos: Ângela e Cauby, Ângela e Cauby ao vivo, e Reencontro.

O último trabalho de Cauby foi um comemorativo pelos 80 anos de vida e 60 de carreira, quando lançou o box Cauby, o Mito com 3 CD´s (um com músicas dos Beatles, um em parceria com o violinista Ronaldo Rayol e outro com registros de show com as participações de Ângela Maria, Fafá de Belém, Agnaldo Rayol, Emílio Santiago, Agnaldo Timoteo e Vânia Bastos).

Fonte UOL
 
Copyright © 2012. RÁDIO REGIONAL - ·
Tema desenvolvido por Diego Farias/ Fagner Freire ·